Redes Sociais
  Home - Notícias - Newsletters

Newsletters

Boletim Conjuntura - 31/07/2013


                                                                   

 

Caros,

Atentos aos movimentos recentes de manifestação popular,  produzimos e enviamos diariamente aos senhores, durante um mês, uma análise da conjuntura política e econômica do Brasil, com os objetivos de fornecer subsídios para uma avaliação ponderada da realidade do País, contribuindo para futuras tomadas de decisão, e acompanhar os impactos sobre a comunicação.

 

Observando em retrospecto, pode-se dizer a manifestação pública do descontentamento popular trouxe à tona uma sociedade mais complexa, disposta a lutar por justiça e ansiosa por se fazer ouvir. Esses elementos devem ser considerados nas estratégias de comunicação de empresas e entidades.

 

Desse modo, gostaríamos de informar os senhores que a produção do Boletim Conjuntura será descontinuada a partir desta quarta-feira (31/7).

 

É importante destacar que podemos voltar a elaborar o material caso tenhamos novos desdobramentos relevantes na política e na economia do País.

 

Contamos com a compreensão dos senhores e agradecemos a leitura do boletim nesse último mês.

 

Atenciosamente,

 

 Boletim Conjuntura Máquina da Notícia:

CENÁRIO MACRO

O Comitê de Política Monetária do Federal Reserve  decidiu manter inalterada sua política de juros. A autoridade monetária americana continuará com seu programa de compra de títulos a um ritmo de US$ 85 bilhões ao mês e manterá a meta da taxa básica de juros do país entre zero e 0,25% ao ano.

Havia suspeita de que o programa de estímulo seria interrompido porque dados do Departamento do Comércio indicaram, mais cedo, que o crescimento econômico dos Estados Unidos acelerou inesperadamente no segundo semestre, registrando alta de 1,7% em sua base anual.

A recuperação da economia americana tem acelerado o processo conhecido como “vôo de qualidade”, segundo analistas, que significa desarmar operações em países emergentes e procurar a segurança dos Títulos americanos _ou a possibilidade de retornos maiores no mercado acionário. Hoje, o Banco Central brasileiro teve que fazer três leilões de oferta de moeda para conter o avanço do dólar ante o real. A moeda norte-americana fechou o dia cotada a R$ 2,282 (alta de 0,09%), maior nível de fechamento desde 31 de março de 2009.

Em oposição a dados apresentados pelo IBGE, o Dieese divulgou hoje que a taxa de desemprego no conjunto de sete regiões metropolitanas do país caiu para 10,9% em junho, ante 11,2% no mês anterior. De acordo com este levantamento,  as contratações cresceram em todos os setores no último mês.

O nível de endividamento das famílias com os bancos avançou em maio deste ano e atingiu o patamar recorde de 44,52%, segundo informações do Banco Central.

De acordo com o BC, nos doze meses até abril o indicador estava em 44,2%. Maio, ainda segundo dados oficiais, foi o quinto mês seguido de alta do endividamento das famílias em relação à renda acumulada nos doze meses anteriores.

POLÍTICA

O plebiscito da reforma política foi enterrado no Congresso. O aperto fiscal foi criticado, por não conter necessariamente efetivo grande corte de despesas. E hoje, em parte pela pressão de entidades de classe, o governo federal recuou de sua iniciativa original de elevar em dois anos a duração dos cursos de medicina, obrigando todos os estudantes a se submeterem a um estágio gratuito no SUS (Sistema Único de Saúde). Pela nova proposta do governo, esses dois anos serão transformados em residência _não obrigatório. Ou seja, com seis anos, o estudante poderá ter se formado.

O governo também tenta reconstruir pontes no Congresso. Para isso, anunciou ontem a liberação, em parcelas, de R$ 8 bilhões em emendas parlamentares. O dinheiro, porém, pode não ser suficiente para criar uma coesão em torno de sua agenda.

O “recesso branco” parlamentar termina amanhã e já há uma agenda problemática ao governo. Na Câmara, os deputados precisam concluir a votação do projeto que divide a destinação das receitas de petróleo para educação e saúde _o governo queria tudo para a saúde. Também pode passar a proposta do Orçamento impositivo para as emendas parlamentares, contrariando o governo. O marco regulatório de mineração e uma discussão sobre limite do número de ministérios podem entrar em votação. O Senado deve discutir o passe livre no transporte público para estudantes.

Há ainda preocupação com os vetos de Dilma: desonerações de produtos da cesta básica, rejeição da licença hereditária para taxistas, fim da multa adicional do FGTS em casos de demissão sem justa causa e mudança na divisão dos recursos do Fundo de Participação dos Estados.

A presidente Dilma anunciou, no fim da manhã de hoje, em cerimônia na Prefeitura de São Paulo, um pacote de investimentos de R$ 8,1 bilhões em obras de mobilidade, drenagem e recuperação dos mananciais na cidade de São Paulo.

 

MANIFESTAÇÕES

Funcionários da Infraero iniciaram hoje uma greve em 63 aeroportos do país, de acordo com o Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), que representa a categoria.

A paralisação, segundo o sindicato, é para protestar contra a proposta de acordo coletivo que a Infraero fez para a categoria e é por tempo indeterminado. Apesar da alta adesão de funcionários, os reportes são de nível de atrasos normais para voos domésticos e internacionais até o início da tarde.

Pelo menos 13 Estados vivenciaram hoje paralisação parcial no atendimento médico. greve é para marcar posição da categoria contra decisões do governo federal, como a contratação de profissionais estrangeiros pelo programa Mais Médicos e os vetos à legislação do Ato Médico, que estabelece as atribuições dos profissionais de medicina.

Em São Paulo, um ato na avenida Paulista deve ocorrer no fim da tarde. Em Santa Catarina, houve enterro simbólico de ministros, como o de Alexandre Padilha (Saúde). Na Grande Vitória (ES), a paralisação atingiu 80% da categoria. Manifestantes fizeram uma carreata em Cuiabá, na tarde de hoje. Em Campo Grande (MS), profissionais e estudantes se concentraram na praça Ary Coelho. As manifestações ocorreram no Hospital de Clínicas e na Santa Casa em Porto Alegre (RS). No Rio de Janeiro, um protesto da categoria interditou a avenida Presidente Antônio Carlos pela manhã.

               

 

 

 



Retornar
FIABCI-BRASIL - Rua Dr. Bacelar, 1.043 - Mezanino - Vila Mariana - CEP: 04026-002 - São Paulo / SP